Monitoramento e Gerenciamento de Áreas Contaminadas

O processo de industrialização no Brasil teve início no século XIX, aproximadamente em 1950 o país já contava com alguns pólos industriais, sobretudo nas capitais da região sudeste, na década de 1970 com o diagnóstico de alguns agravos à saúde dos trabalhadores e população vizinha às regiões industriais levaram ao avanço da legislação ambiental que regulou o desenvolvimento dessas atividades, e, em alguns casos inviabilizou a continuidade dos empreendimentos devido a contaminação que o processo produtivo gerava para o meio ambiente, muitos desses locais foram diagnosticados como áreas contaminadas demandando procedimentos técnicos para seu gerenciamento.

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas (GAC)  baseia-se no desenvolvimento de etapas sequenciais visando a redução para níveis aceitáveis dos riscos que estão expostos a população e o meio ambiente, ou ainda,  é caracterizado por um conjunto de medidas que asseguram o conhecimento das características das áreas contaminadas e a definição de medidas de intervenção mais adequadas a serem exigidas, visando eliminar ou minimizar os danos e/ou riscos aos bens a proteger, gerados pelos contaminantes nelas contidos (CETESB/SÃO PAULO, 2013).

Todas essas competências estão contempladas na equipe multidisciplinar de profissionais da SAEMC (saneamento básico, qualidade ambiental, saúde e segurança do trabalho, geoprocessamento, comunicação social, biodiversidade e sustentabilidade socioambiental), capazes de contribuir na elaboração e implementação de um eficaz plano de gerenciamento e monitoramento de área contaminada, com a geometria adequada para cada realidade e especificidades do cenário brasileiro.