GEOPROCESSAMENTO PARA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO PANTANAL

Aplicação de técnicas de geoprocessamento para a identificação, espacialização e quantificação das formas ligadas ao relevo e à dinâmica hidrológica na área úmida do Pantanal da Nhecolândia – Brasil.

O Pantanal da Nhecolandia, uma das maiores áreas úmidas do globo, localiza-se na porção sul do Cone Aluvial do Rio Taquari e apresenta feições hidromorfológicas muito variadas, dinâmicas e complexas, sujeitas às inundações sazonais influenciadas pelos regimes hidrológicos dos rios Paraguai e Taquari, dificultando o reconhecimento e a compreensão da variabilidade morfológica e espacial de seus elementos nas escalas locais e regionais. As áreas deprimidas, compreendendo os canais de escoamentos temporários e sazonais, entremeam áreas aplainadas com topografia alguns metros mais elevada (aproximadamente 1 a 2 metros em relação ao nível das depressões), menos sujeitas às inundações, constituindo “Campos naturais”, e áreas mais elevadas ainda (acima dos 3 metros) de cordões arenosos chamadas localmente de “Cordilheiras” ocupados por vegetação arbórea e raramente sujeita às inundações. Nesta configuração a característica mais marcante é a presença de inúmeras lagoas com águas ácidas e alcalinas com formas e tamanhos diversos e variavelmente distribuídas pela área de estudo.

Técnicas de geoprocessamento foram empregadas a fim de identificar, caracterizar e quantificar os elementos ligados às formas de relevo e da hidrodinâmica regional utilizando imagens dos satélites LANDSAT-TM 5 e 7 (órbita 226/73), respectivamente de 1990 e 2002 , nos ambientes dos aplicativos SPRING (INPE-Brasil) versão 4.0 e ArcGis ArcView versão 9.0 (ESRI-EUA). As imagens foram submetidas ao processo de classificação supervisionada por pixel, observando-se o método Maximum Likelihood (Crosta 1992), gerando a representação da região de estudo segundo cinco classes previamente determinadas: 1) cordões arenosos raramente sujeitos às inundações (“Cordilheiras”); 2) áreas aplainadas frequentemente sujeitas às inundações (Campos naturais); 3) Solo exposto, 4) lagoas de águas ácidas (Baías) e 5) lagoas de águas alcalinas (Salinas).

Os layers gerados foram convertidos em arquivos vetoriais no formato shapefile , a fim de realizar-se a análise espacial dos elementos da paisagem no ambiente do aplicativo ArcGis ArcView versão 9.0, obtendo-se como resultados: 1 Representação das 5 classes dos elementos da paisagem da região estudada, para as cenas de 1990 e 2002, segundo a classificação acima descrita; 2 Mensuração das áreas ocupadas, das formas e das orientações azimutais para cada um dos elementos da paisagem e sua correspondência espacial em relação ao percentual da área de estudo; 3 Identificação da distribuição espacial dos elementos e quantificação de suas densidades.

PARCEIRO DESTE PROJETO – USP.